Atendimento odontológico a portadores de HIV/AIDS

Especialidades

Como realizar um atendimento odontológico a portadores de HIV/AIDS?

HIV (sigla em inglês para human immunodeficiency virus) é uma doença causada pelo vírus da imunodeficiência humana. Trata-se, sobretudo, de um retrovírus com material genético constituído de RNA e de uma enzima chamada transcriptase reversa, capaz de produzir um DNA viral que se incorpora às células do portador. 

Umas das principais características do HIV é a baixa imunidade. O vírus age atacando o sistema imunológico do paciente, em especial os linfócitos T CD4+ do sangue, permitindo que as chamadas “doenças oportunistas” se desenvolvam e, em seu estágio mais avançado, a AIDS – Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.  Ainda, muitas das manifestações da doença ocorrem na cavidade bucal. 

Não há cura conhecida para o HIV, no entanto os tratamentos com terapia antirretroviral (TARV) são cada vez mais eficazes, permitindo que o portador conviva com o vírus e proporcionando uma maior qualidade de vida e recuperação da saúde. 

Desde 1982, quando houve o primeiro caso confirmado no Brasil, até hoje, o preconceito em relação à doença é muito presente no dia a dia dos portadores. A principal campanha relacionada ao tema é o Dezembro Vermelho.  

Com seu início em 01 de dezembro, Dia Mundial da AIDS/HIV, essa iniciativa visa promover ações de prevenção à doença, bem como o fim da discriminação e estigma que afeta os portadores.  

Aproveitamos o tema em evidência para trazer as principais manifestações bucais, os cuidados e protocolos de atendimento aos pacientes soropositivos, as questões éticas e legais, dentre outros aspectos do HIV/AIDS na Odontologia.

Posts prontos Diversidade Cultural

 Diferença entre HIV e AIDS 

É comum que exista uma confusão entre os termos quando se trata de HIV e AIDS. Sendo assim, vamos começar esclarecendo esse importante ponto. 

O HIV é a sigla para o vírus descoberto na década de 80, trata-se de uma IST – Infecção Sexualmente Transmissível. Ou seja, sua forma de transmissão se dá, principalmente, por meio de relações sexuais desprotegidas (sem o uso de preservativos) com pessoas que já são portadoras do vírus.  

(leia mais sobre manifestações bucais de infecções sexualmente transmissíveis

Contudo, o vírus também pode ser transmitido pelo compartilhamento de objetos perfurocortantes contaminados, acidentes ocupacionais e também por mães soropositivas na gestão, parto ou amamentação, quando não realizado um tratamento prévio. 

A AIDS trata-se de uma doença que pode acometer portadores de HIV, principalmente quando não há uma procura por tratamento. O paciente com HIV passa a ter AIDS quando há um estágio avançado de comprometimento imunológico, o que permite que infecções oportunistas como Criptococose, Tuberculose, Candidíase, etc., se manifestem. 

A AIDS também costuma ser chamada de “doença silenciosa”, pois existem diversos portadores do vírus do HIV que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver AIDS. 

Manifestações e Lesões Orais da AIDS/HIV 

Conforme as últimas pesquisas realizadas pelo Departamento Nacional de DST/AIDS e Hepatites Virais, o número de pessoas portadoras do vírus HIV no Brasil ultrapassa 600 mil. Contudo, uma parte dessa população nunca teria feito teste para diagnóstico, não conhecendo sua sorologia. 

Dentre as manifestações ocasionadas pela infecção do HIV, a AIDS é a mais grave delas. Os primeiros indícios estão associados à queda de imunidade do paciente, deixando-o vulnerável a demais infecções.  

Assim, é comum que pacientes com HIV/AIDS desenvolvam uma série de infecções na cavidade bucal, logo o papel do cirurgião-dentista para um diagnóstico precoce é essencial.  

Mais especificamente, pacientes podem manifestar: 

Lesões ulcerativas 

Pacientes com HIV/AIDS, devido a imunossupressão, podem apresentar úlceras aftosas, sendo elas major, minor e/ou herpetiforme. As lesões, que devem persistir por uma a duas semanas, não costumam deixar cicatrizes após a cura. As ulcerações também podem ser causadas por medicamentos utilizados no tratamento de HIV. 

Os pacientes, ainda, podem manifestar ulcerações inespecíficas, é o caso da estomatite necrosante. As lesões, além de muito dolorosas, podem evoluir para necrose tecidual e eventual exposição óssea. Logo, o acompanhamento odontológico contínuo é fundamental em pacientes portadores de HIV/AIDS. 

Neoplasias 

Sarcoma de Kaposi é um tipo de câncer que pode acometer paciente portadores de HIV, o qual costuma se apresentar no formato de nódulos arroxeados ou amarronzados na pele ou mucosa. Com a evolução dos antirretrovirais no tratamento do HIV, o tumor, antes muito agressivo, passou a ser mais controlado.  

Contudo, trata-se de um ponto de atenção para o cirurgião-dentista, afinal, em ¼ dos casos, a cavidade bucal é o primeiro local acometido. Além disso, pelo menos, metade dos pacientes com o tumor apresentam lesões bucais. O tratamento para o Sarcoma de Kaposi inclui radioterapia e quimioterapia, dependo do local e estágio da neoplasia. 

Infecções Fúngicas 

Candidíase ou Candidose é a principal infecção fúngica em pacientes com HIV/AIDS, sendo observada em seu estágio mais precoce. 

Há quatro tipos de candidíase: 

  • Pseudomembranosa; 
  • Eritematosa; 
  • Hiperplásica; 
  • Queilite angular. 

O paciente com candidíase não necessariamente está infectado com HIV/AIDS, contudo pode se tratar de um sinal de progressão da doença e de imunossupressão.  

Infecções Virais 

Dentre as infecções virais, é comum que paciente imunocomprometidos desenvolvam Vírus Herpes Simples. Essa alteração acomete a cavidade oral por meio de ulcerações bolhosas que podem durar até 10 dias, seguidas de cicatrização. Em pacientes com HIV, esse quadro pode se agravar podendo durar meses. Dessa forma, pacientes com quadros constantes de herpesvírus devem ter um ponto de atenção. 

Outra infecção viral é a Leucoplasia Pilosa, uma mancha ou placa branca que não pode ser removida por raspagem. Comumente encontrada nas bordas laterais da língua, costuma acometer pacientes adultos.  

Infecções Bacterianas  

Pacientes com HIV podem desenvolver infecções bacterianas, dentre elas a doença periodontal. Assim, as alterações periodontais mais comumente encontradas são:  

Eritema Gengival Linear – É possível identificá-lo por meio de manchas avermelhadas na gengiva, sem indícios de inflamação ou placa bacteriana. 

Gengivite Ulcerativa Necrosante – O paciente apresenta necrose e ulcerações nas papilas interdentais, sem perder inserção periodontal. 

Periodontite Ulcerativa Necrosante – Trata-se de ulcerações e necrose gengival com perda de inserção periodontal.  

Nesse pacientes, devido à imunidade reduzida, as alterações bucais bacterianas passam a ser mais graves e dolorosas. Logo, o acompanhamento odontológico contínuo, bem como uma higiene bucal rígida devem ser adotados. 

“O poder do diagnóstico: saúde bucal e suas implicações no corpo humano” – Podcast Odonto em Pauta

Protocolo de atendimento odontológico a portadores de HIV/AIDS

Como em qualquer atendimento, para que o profissional atue com segurança, uma anamnese detalhada é fundamental, juntamente com a avaliação de histórico médico e exame completo de cabeça e pescoço 

Conforme citamos no tópico anterior, pacientes com HIV/AIDS costumam apresentar manifestações bucais. Logo, a avaliação do histórico do paciente, somado ao exame físico e demais sintomas, não necessariamente ligados à cavidade oral, podem indicar que o paciente é um portador de HIV.  

Em casos de suspeita, o cirurgião-dentista deve encaminhar o paciente a um infectologista, pois quanto mais brevemente for definido o diagnóstico, maior será a chance de controlar o avanço da doença. 

Em relação a pacientes já diagnosticados, o cirurgião-dentista deve abordar duas vertentes de tratamento. 

Tratamento Tradicional, relacionado ao controle das doenças bucais mais comuns, somado a orientações de prevenção e cuidados com higiene oral. 

E o Tratamento Específico, que visa tratar as manifestações bucais ocasionadas pelo HIV, em especial. 

Em relação às medidas de biossegurança, ao longo do artigo iremos trazer um tópico relacionado ao tema. De antemão, podemos salientar que todas as medidas universais de biossegurança devem ser seguidas pelos profissionais, esteja o paciente infectado pelo vírus ou não.   

Aspectos éticos e legais do atendimento odontológico de pacientes HIV soropositivos 

Lamentavelmente, o preconceito ainda é algo muito presente na vida de pessoas portadoras de HIV, impactando no diagnóstico e na procura por tratamento.  

Como profissionais da saúde, cirurgiões-dentistas e equipe odontológica devem ter uma postura humana, profissional e ética perante o atendimento de pacientes soropositivos. Promovendo desde tratamentos mais gerais, com foco em prevenção, até tratamentos mais específicos de alterações causadas pelo vírus. 

O próprio Código de Ética Odontológica (CEO), em suas disposições preliminares – Art. 2º informa que “A Odontologia é uma profissão que se exerce em benefício da saúde do ser humano, da coletividade e do meio ambiente, sem discriminação de qualquer forma ou pretexto.” 

De antemão, a recusa de atendimento odontológico devido ao perfil sorológico do paciente trata-se de uma postura discriminatória e, ainda, constitui infração ética conforme Art. 11 do CEO. Logo, o profissional de saúde que recusar atender pacientes nessa situação, além de estar sujeito às penas previstas pelos conselhos profissionais, também pode responder cível e criminalmente pelo ato. 

Cuidados com o material odontológico no atendimento de pacientes HIV 

Os cuidados com a biossegurança no ambiente odontológico devem ser seguidos de forma rigorosa pelos profissionais, visando maior segurança e proteção contra os inúmeros riscos biológicos aos quais os indivíduos estão expostos. 

O uso dos materiais de biossegurança como máscara, touca, aventais, luvas, entre outros, jamais deve ser negligenciado pelo cirurgião-dentista e sua equipe odontológica. Da mesma forma, as rotinas de limpeza e desinfecção de ambiente odontológico, instrumentais e equipamentos devem ser seguidas à risca pela equipe. 

Leia mais sobre Biossegurança: limpeza e desinfecção do ambiente odontológico.

No consultório odontológico, o vírus do HIV pode ser transmitido por meio de exposição ocupacional, perante o compartilhamento de objetos perfuro cortantes contaminados. Engana-se, contudo, quem acredita que a infecção pelo vírus do HIV durante o atendimento odontológico é frequente.  

Produtos de biossegurança para consultório odontológico na dental speed

A infecção pelo vírus da hepatite B (HBV), por exemplo, é um risco ocupacional muito maior para a equipe odontológica. Aliás, entre as doenças infectocontagiosas, a Hepatite é a que mais causa óbitos e interrupções da prática odontológica. 

Leia mais sobre o alto risco da Hepatite na Odontologia

Em suma, a medidas de biosseguranças no consultório devem ter a rigidez de sempre, independentemente de o paciente ser portador de alguma patologia ou não.  

Inclusive, autores indicam que os profissionais devem considerar qualquer paciente como potencialmente infectado, pois é comum a existência de assintomáticos. Assim, a conduta mais segura é a manutenção universal das normas de biossegurança. 

O que fazer quando exposto ao vírus? 

A equipe odontológica deve estar preparada para lidar com situações em casos de exposição biológica.  

Conforme já citado, o risco de transmissão de HIV no consultório odontológico é baixo. Contudo, em caso de acidente com algum material ou fluído potencialmente contaminado, deve-se considerar emergência médica, onde as medidas profiláticas, associadas ao HIV e Hepatites, devem ser iniciadas o mais cedo possível. 

Primeiramente, deve-se realizar os cuidados imediatos da área exposta, lavando abundantemente com água e sabão ao se tratar de exposição percutânea ou cutânea. Em casos de contato com a mucosa, deve-se utilizar soro fisiológico. 

Na sequência, tanto o paciente-fonte como o profissional exposto devem se dirigir à unidade de referência mais próxima, certificando-se de que estão aptos a atender acidentes envolvendo material biológico. 

Os profissionais de saúde realizarão os testes necessários e indicarão a necessidade de o profissional exposto realizar a PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV), que deve ser feita, de preferência, nas primeiras duas horas após a exposição de risco e em até 72 horas, no máximo. 

Principais CIDs para o HIV/AIDS 

É essencial que cirurgiões-dentistas tenham conhecimento sobre o CID, o que permite uma melhor comunicação entre os profissionais da saúde. Confira abaixo os CIDs indicativos de HIV: 

CID 10 – B20    Doença pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), resultando em doenças infecciosas e parasitárias 
CID 10 – B20.0    Doença pelo HIV resultando em infecções micro bacterianas 
CID 10 – B20.1    Doença pelo HIV resultando em outras infecções bacterianas 
CID 10 – B20.2    Doença pelo HIV resultando em doença citomegálica 
CID 10 – B20.3    Doença pelo HIV resultando em outras infecções virais 
CID 10 – B20.4    Doença pelo HIV resultando em candidíase 
CID 10 – B20.5    Doença pelo HIV resultando em outras micoses 
CID 10 – B20.6    Doença pelo HIV resultando em pneumonia por Pneumocystis jirovecii 
CID 10 – B20.7    Doença pelo HIV resultando em infecções múltiplas 
CID 10 – B20.8    Doença pelo HIV resultando em outras doenças infecciosas e parasitárias 
CID 10 – B20.9    Doença pelo HIV resultando em doença infecciosa ou parasitária não especificada 

Contudo, lembre-se que para a utilização dos CIDs em atestados odontológicos, é necessário ter a autorização do paciente. Usá-lo sem autorização indica quebra de sigilo profissional e, consequentemente, infração ética. 

Nesse artigo foi possível compreender as principais manifestações bucais que acometem pacientes com HIV/AIDS, a importância do cirurgião-dentista no diagnóstico e encaminhamento do paciente a um infectologista, bem como o tratamento contínuo e humanizado de pacientes já diagnosticados. 

O preconceito, ainda muito presente na sociedade, impacta negativamente a vida de pacientes soropositivos. O consultório odontológico é um local onde o paciente deve sentir-se acolhido e bem tratado, dessa forma, é papel do cirurgião-dentista e equipe odontológica estarem preparados para assistir esse perfil de paciente de forma integral. 

Gostou do conteúdo? Comente nesse artigo sobre quais temas você quer ler aqui no blog Eu Amo Odonto!

Fontes:  

  • Matos, F., Santana, L., & Paixão, M. (2012). Reflexões bioéticas no atendimento odontológico ao paciente portador de HIV/AIDS. Revista Brasileira De Bioética8(1-4), 57–66.https://doi.org/10.26512/rbb.v8i1-4.7777 

Redatora em Blog Dental Speed
Formada em Administração pela Estácio, especialista em Marketing e redação técnica na área odontológica.
Gabrielli Nery Wandscheer
Últimos posts por Gabrielli Nery Wandscheer (exibir todos)

Artigos relacionados

Education Template