Escolha a melhor máscara para atendimento odontológico

A pandemia do COVID – 19 ressaltou a importância do uso dos EPIs e medidas de biossegurança no consultório odontológico.

Acessórios opcionais como o faceshield viraram itens indispensáveis e o uso de  respiradores não é só exclusividade de dentistas que atendem pacientes com doenças infecto contagiosas.

É fundamental o dentista estar atendo as recomendações da ANVISA e CFO sobre biossegurança no consultório odontológico, pois o dentista está exposto aos aerossóis e tem contato direto com saliva e secreções.

As recomendações da ANVISA foram citadas nas nota técnica 04/2020.

Como a máscara é um item essencial dentro e fora do consultório, elaboramos este post para você saber mais sobre máscaras e respiradores.

Produtos de biossegurança para consultório odontológico na dental speed

Como escolher a máscara descartável?

Sabemos que as máscaras de pano são utilizadas pela população em geral, mas se tratando de biossegurança no consultório, vamos falar sobre máscaras cirúrgicas e respiradores.

De acordo com diversos trabalhos publicados e endossados pela OMS, a eficácia de filtragem de máscaras cirúrgicas e respiradores são:

  • Respiradores modelo N95/PFF2: bloqueio de 99,9% das partículas;
  • Máscara cirúrgica descartável de 3 camadas: se o material for polipropileno, bloqueia 90% das partículas

Conforme o CFO, a máscara cirúrgica é indicada para anamnese e exame clínico. No entanto, para procedimentos que geram aerossóis, o recomendado pelo CFO é o uso de respiradores modelo N95/PFF2.

Além disso, é fundamental utilizar óculos de proteção e faceshield para evitar contaminação via ocular.

O dentista também deve verificar as certificações, selos e se os fabricantes estão dentro das Boas Práticas de Fabricação recomendadas pela ANVISA para fabricantes de produtos para Saúde.

Sempre analise as embalagens dos EPIs e verifique o número dos registros no site da ANVISA.

Outro fator importante é o dentista consultar a norma brasileira 15052 da ABNT para máscaras cirúrgicas e a norma brasileira 13698 da ABNT para respiradores N95/PFF2

Ambas as normas descrevem material, características e capacidade de filtragem mínima.

Sendo máscara descartável ou respirador, é fundamental verificar as seguintes condições ao abrir a embalagem:

  • integridade da máscara: integridade das tiras e do clipe nasal, pois devem proteger o nariz e a boca corretamente
  • verificar se há rasgos na máscara, para não interferir no vedamento e filtragem

No caso dos respiradores, verifique se o respirador não está amassado, para não interferir no vedamento e filtragem.

eBook guia prático de anestésicos para baixar na dental speed

Quais os tipos de máscaras para proteção respiratória?

Existem alguns tipos de máscaras de proteção respiratória e cada um tem uma indicação. Além disso, duas normas são aplicáveis às máscaras de proteção, sendo uma a europeia e a outra a americana.

A tipificação americana é a usada no Brasil. Assim, as máscaras para saúde na tipificação americana são classificadas como:

  • Classe N: como a N95, N99 e N100, são indicadas para o tratamento da Covid-19, MERS, SARS e H1N1 em ambientes hospitalares;
  • PFF1: Filtra até 80% de todos os aerossóis e tem, no máximo, 22% de fuga deles para o interior.
  • PFF2: filtra no mínimo 94% e tem, no máximo, 8% de fuga para o interior. É utilizada em ambiente hospitalar para prevenir profissionais do contágio da Covid-19, SARS e Tuberculose, dentre outras.
  • PFF3: filtra, no mínimo, 99% de todas as partículas e tem fuga para o interior de no máximo 2%. É a máscara protetora mais potente que podemos ter acesso.

Qual a diferença entre as máscaras PFF2, N95 e máscaras cirúrgicas descartáveis?

A máscara conhecida como N95 refere-se a um classificação de filtro de aerossol adotada nos EUA e equivalente, no Brasil, a PFF2. Ou seja, a diferença entre a PFF2 e a N95 se refere à nomenclatura utilizada em cada país.

Logo, uma das diferenças entre as máscaras N95 ou PFF2  para as máscaras cirúrgicas descartáveis se concentra no seu potencial de filtragem de gotículas. 

Bem como, a principal diferença entre a máscara cirúrgica e a N95 é que a primeira não protege adequadamente o usuário de patologias transmitidas por aerossóis.

Como usar corretamente as máscaras de proteção respiratória?

De fato, a pandemia nos ensinou que máscaras cirúrgicas e respiradores são dois importantes itens de EPI.

No entanto, para as máscaras e respiradores apresentarem eficácia, devemos saber colocar e reter da forma correta.

Como colocar máscara de proteção respiratória:

  • Higienize suas mãos;
  • Coloque a sua máscara em seu rosto, evitando tocar a parte interna dela;
  • Ajuste o clip nasal;
  • Ajuste os elásticos ;
  • Verifique se a máscara está cobrindo totalmente o queixo e o nariz
  • Não mexa mais na máscara até o momento de retirá-la.

Como retirar máscara de proteção:

  • Higienize suas mãos;
  • Ao retirar sua máscara, não toque a parte externa;
  • Retire a máscara através dos elásticos;
  • Deposite sua máscara em um dispositivo apropriado para o descarte;
  • Higienize suas mãos após a retirada da máscara

Para conferir a linha completa de máscaras e respiradores, acesse o site da Dental Speed. Lá você encontra diversos produtos para biossegurança sua, dos seus pacientes e do seu consultório!

Conteúdo relacionado

Clorexidina: Indicações e contra-indicações na Odontologia

Clorexidina: Indicações e contra-indicações na Odontologia

Biossegurança
A biossegurança é uma preocupação de todo cirurgião-dentista. Hoje, existem diversas substâncias que ajudam o dentista a tornar os procedimentos odontológicos mais seguros, uma delas é a Clorexidina. Leia no blogpost de hoje, o que é, quais as indicações e contra indicações da Clorexidina na Odontologia.