O uso de Benzocaína na Odontologia

Conteúdo Especial

A benzocaína é uma anestésico muito comum na área Odontológica. Trata-se de um anestésico de uso tópico e, juntamente com a Lidocaína, é um dos anestésicos mais utilizados pelos Cirurgiões-Dentistas.

Confira neste artigo mais informações sobre esse anestésico!

Anestésicos: Ésteres x Amidas

Podemos dividir os anestésicos locais em dois grandes grupos: ésteres e amidas. Os anestésicos do tipo éster foram os primeiros utilizados, no entanto, na atual Odontologia os anestésicos mais comuns são os do grupo Amida.

Primeiramente, porque no Brasil não é possível adquirir ésteres em forma de tubete uma vez que sua toxicidade impossibilita o uso em seringas carpule. Em segundo lugar, os anestésicos do grupo amida tendem a ser mais estáveis e a chance de desencadear alergias nos pacientes é muito pequena.

Contudo, mesmo a Benzocaína sendo pertencente ao grupo dos ésteres, é um anestésico muito popular, usado em consultórios odontológicos como um anestésico de superfície.

 

Anestésicos é na Dental Speed

 

Apresentação do Anestésico Benzoncaína

Sua apresentação é na forma de pomada ou gel e sua baixa solubilidade faz com que seja absorvido de forma lenta. Desse modo, o anestésico costuma alcançar o seu efeito máximo em 15 minutos, já a duração anestésica pode durar até 45 minutos, dependendo dose administrada.

O Anestésico Benzotop da DFL, por exemplo, indica-se realizar aplicações de 0,5 g com o intuito de alcançar efeito desejado, até a dose máxima recomendada de 2 g.

 

 Indicações de uso

Aplicada na mucosa oral, a benzocaína é comumente utilizado de forma prévia às anestesias infiltrativas.

No entanto, também pode ser utilizado em procedimentos como radiografias, posicionamentos de prótese, na instalação de grampos para isolamento absoluto, na remoção de tártaro, em procedimentos de harmonização orofacial, entre outros.

 

Contraindicações

A Benzoncaína, assim como todos os anestésicos, precisa ser usada de forma cautelosa, afinal cada paciente possui suas particularidades. Logo, alguns cuidados devem ser tomados.

No caso de pacientes com mucosa traumatizada ou sépsis, por exemplo, é importante que o anestésico seja administrado com cautela, pois a absorção do anestésico pela lesão é relativamente alta.

Outro ponto é que seu uso não é indicado para crianças com medo de dois anos de idade. Isso se dá devido ao risco de metemoglobinemia, uma síndrome que em casos mais graves pode levar o paciente a óbito.

Além disso, seu uso também deve ser evitado em paciente com insuficiência cardíaca, respiratória ou doenças metabólicas e em gestantes.

 

Equipe Dental Speed

Artigos Relacionados