Atenção odontológica a pacientes portadores de hanseníase

Odontologia

Aspectos epidemiológicos

Apesar da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmar que nos últimos anos tem sido observado um decréscimo significativo na prevalência da Hanseníase a nível mundial. Em alguns países como o Brasil, a Hanseníase continua sendo um problema de saúde pública, pois está entre as doenças negligenciadas relacionadas à pobreza.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, foram 312 mil novos casos registrados nos últimos dez anos, o que coloca o país na segunda posição no ranking mundial da doença, somente atrás da Índia. Segundo o último boletim epidemiológico, os quase 18 mil novos casos de Hanseníase no Brasil em 2020 representam 93,6% dos casos diagnosticados nas Américas.

Instrumentais para dia a dia do consultório odontológico na Dental Speed

O que é hanseníase?

A Hanseníase também conhecida como Lepra ou Doença de Hansen é uma infecção crônica causada pela bactéria Mycobacterium leprae, a qual necessita de baixas temperaturas corporais para sobreviver, desenvolvendo-se em nervos periféricos, pele e áreas resfriadas pelo ar como a cavidade nasal.

O período de incubação da bactéria pode variar de dois até dez anos, pois, esse microrganismo se multiplica muito lentamente.

O mecanismo de transmissão da hanseníase não está claro, porém acredita-se que aconteça pelo contato íntimo e prolongado com o doente através das secreções nasais e orofaríngeas e/ou pelas lesões cutâneas.

Desse modo, o maior fator de risco para a hanseníase são condições socioeconômicas de aglomerações, como as deficiências de habitação e aglomeração no transporte. Além disso, o baixo nível educacional e a dificuldade de acesso a sistemas de saúde também contribuem. Isso faz com que a maior incidência da hanseníase no Brasil esteja nas regiões com menor índice de desenvolvimento humano (IDH). Logo, o maior número de casos novos identificados na última década está na Região Nordeste (43% do total, ou o equivalente a 132,7 mil pacientes). Em seguida, vêm o Centro-Oeste, com 20% dos casos; o Norte (19%); e o Sudeste (15%). Apenas 4% dos novos pacientes registrados nos últimos dez anos apareceram na Região Sul do país.

De acordo com estudos epidemiológicos, nos últimos anos (2016-2020) a doença foi mais prevalente em homens (55%) do que mulheres (44%); em pardos (58,9%) do que brancos (24%) e pretos (12%) e na faixa de pessoas com ensino fundamental incompleto (40,9%) do que entre os com ensino médio e ensino superior completo (15%).

Aspectos Clínicos

Dentre as classificações das formas clínicas da Hanseníase, uma das mais conhecidas divide-se em: hanseníase lepromatosa ou virchowiana, a qual se manifesta em indivíduos com baixa-imunidade apresentando variações significativas e hanseníase tuberculóide, a qual se manifesta em indivíduos com alta-imunidade apresentando-se de forma localizada.

Sinais e sintomas

Na classificação atual, temos a forma paucibacilar que corresponde ao padrão tuberculóide, apresentando um pequeno número de lesões hipopigmentadas, perda de sudorese, envolvimento de nervos, mas raramente são observadas lesões orais. A outra forma clínica é a multibacilar que já se refere ao padrão lepromatoso e pode apresentar numerosas lesões hipopigmentadas na pele, envolvimento da face, perda da sudorese, perda de sensibilidade e lesões orais.

A face é um local comumente acometido, na qual ocorre a atrofia da espinha nasal anterior e do processo alveolar da maxila, bem como a alterações inflamatórias nasais. Essas alterações associadas ao colapso da ponte nasal, que é considerado um sinal patognomônico, formam a chamada “face leonina”. Epistaxe, alargamento do nariz e perda do olfato também podem ser observados.

Lesões orais

Na forma multibacilar, as lesões orais não são consideradas raras, apresentando uma frequência de 20 a 60%. No entanto, nenhuma lesão oral é considerada patognomônica. Podem se apresentar como pápulas ou nódulos, firmes amareladas ou avermelhadas, sésseis, assintomáticos e que geralmente desenvolvem ulceração e necrose. Os locais comumente acometidos são gengiva na porção anterior da maxila, palato duro e mole, úvula e língua.

O grau de envolvimento do palato e a presença de lesões na úvula estão muito relacionados com a duração da doença, caracterizando um estágio mais avançado da patologia.

A região anterior do dorso e da base da língua está envolvida em um número significativo de casos, se diferenciando por apresentar sintomatologia dolorosa.

Além disso, os nervos facial e trigêmeo também podem ser envolvidos provocando paralisia e déficits sensoriais.

Diagnóstico

O diagnóstico da Hanseníase baseia-se no aspecto clínico e nos exames laboratoriais complementares. Segundo a Organização Mundial de Saúde, devemos suspeitar de um caso de hanseníase quando uma pessoa apresenta lesões hipopigmentadas ou hiperpigmentadas com alteração de sensibilidade, fraqueza muscular, dormência ou formigamento das mãos e/ou pés. Quando os casos não são tratados no início dos sinais, a doença pode causar sequelas progressivas e permanentes, incluindo deformidades e multilações, redução da mobilidade dos membros e até cegueira.

No entanto, vale ressaltar que reconhecer uma lesão pelas suas características clínicas, ou visualizá-la, mesmo quando em locais expostos, depende de um olhar sensível e atento.

Equipamentos & Peças de Mão dental speed

Hanseníase na Odontologia

Diante desses aspectos, ressalta-se a necessidade de que o cirurgião-dentista tenha conhecimento sobre a doença, desenvolvendo habilidades para o estabelecimento de um diagnóstico precoce.

Não se trata de um exame clínico odontológico voltado exclusivamente para hanseníase, entretanto, numa perspectiva de integralidade o cirurgião-dentista, como profissional da saúde, deve conhecer os principais sinais e sintomas da doença.

Mas como o cirurgião-dentista deve agir diante de um paciente com suspeita de hanseníase? Quais cuidados devem ser tomados?

Nesses casos a conduta indicada é:

  • Realizar uma anamnese minuciosa, atentando-se para história médica pregressa e medicamentos de uso contínuo.
  • Realizar um exame físico geral, observando o paciente como um todo;
  • Ao identificar lesões bucais, utilizar métodos de diagnóstico complementares como biópsia e exames laboratoriais;
  • Controlar o risco de infecção cruzada, realizando o tratamento odontológico normal com os mesmos cuidados gerais de biossegurança e esterilização;

Obs: Durante o atendimento odontológico e procedimentos de rotina, deve-se usar os equipamentos de proteção individual (EPI), como luvas e máscaras, assim como já é feito cotidianamente, pois, é pequeno o risco de transmissão do bacilo ao cirurgião-dentista durante a realização do tratamento odontológico.

  • Dar preferência inicialmente para os procedimentos de urgência e emergência até que o diagnóstico e tratamento sejam realizados;

Obs: Procedimentos eletivos devem ser postergados até que o paciente esteja em tratamento.

  • Encaminhar o paciente para tratamento e acompanhamento médico.

A falta de conhecimentos específicos dos cirurgiões-dentistas sobre a hanseníase, principalmente daqueles que atuam em regiões endêmicas, pode vir a comprometer a participação nas ações de controle da doença. Como consequência, a promoção e a recuperação da saúde bucal dos indivíduos com hanseníase ficam prejudicadas, fato comprovado pelo elevado índice de dentes cariados, perdidos, obturados e sérios problemas periodontais.

Sendo assim, o cirurgião-dentista deve atuar nas ações de promoção e prevenção de saúde bucal, assim como também prestando assistência odontológica realizando a avaliação diagnóstica, tratamento e reabilitação. Sendo da sua competência tratar as doenças bucais secundárias, como processos reacionais frente a trauma, tratar as lesões decorrentes da falta de higienização da cavidade bucal principalmente cárie e doença periodontal.

Ainda que exista uma ênfase no processo curativo-reparador, é necessário maior envolvimento do cirurgião-dentista na identificação e no encaminhamento de casos suspeitos para tratamento. Logo, ressalta-se a necessidade da integração do cirurgião-dentista aos programas de capacitação em hanseníase para o aprofundamento dos conhecimentos sobre a doença.

Procedimentos e tratamentos

O tratamento da hanseníase baseia-se no esquema poliquimioterápico preconizado pela Organização Mundial da Saúde e o emprego dos fármacos tem como objetivo principal à cura, alcançada através da eliminação do bacilo da corrente circulatória e conseqüentemente do organismo, regressão das lesões cutâneas e interrupção das agressões ao tecido nervoso.

As principais substâncias utilizadas em todo mundo são: Rifampicina, Isocianamida, Prothionamida, Dapsona, Etambutol e Clofazimina. Com este regime terapêutico o paciente deixa de ser contagiante após seis semanas de uso de medicação.

Apesar de o tratamento ser oferecido de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Brasil o índice de adesão ao tratamento é baixo, o que provoca a multiplicidade de casos, justifica-se a endemia crescente.

Após a resolução da infecção, a terapia deve ser direcionada para a reabilitação estético-funcional, com fisioterapia e acompanhamento psicológico, porque além do dano físico, há o comprometimento social. É fundamental ressaltar que uma vez iniciado o tratamento não há mais risco de contágio.

Campanha de prevenção

Em 2016 foi criado o “Janeiro Roxo” com intuito de chamar a atenção das pessoas para a hanseníase. Desde então, celebra-se no último domingo do mês de janeiro, o Dia Mundial de Combate e Prevenção da Hanseníase. Neste ano, a data será celebrada no dia 30 e o tema da campanha é “Precisamos falar sobre hanseníase”.

Nesta campanha o Ministério da Saúde promoverá ações para a prevenção, diagnóstico e tratamento. Essas ações incluem:

  • Três novos testes para detectar a patologia, incluindo um teste rápido;
  • Capacitação de médicos da atenção básica, apelidada de Carreta da Saúde da Hanseníase em cinco estados: Mato Grosso, Maranhão, Ceará, Piauí e Bahia;
  • Implementação do Telehans, um serviço remoto para auxiliar a realização de diagnósticos de hanseníase e de um aplicativo para apoiar os profissionais de saúde nos exames e tratamentos;
  • Um curso de educação a distância sobre o tema para profissionais de saúde.

Levando em conta que a hanseníase é uma doença infecciosa ainda considerada endêmica no Brasil, é importante que o cirurgião-dentista tenha conhecimento sobre a doença, pois, este está sujeito a atender pacientes portadores da hanseníase, devendo participar do estabelecimento do diagnóstico e encaminhamento do paciente para tratamento.

Gostou deste artigo? Deixe nos comentários quais conteúdos você gostaria de ver aqui no blog Eu Amo Odonto! Aproveite e leia também o artigo sobre “Atendimento Odontológico de pacientes diabéticos“.

Projeto Guardiões do Sorriso Dental Speed

Referencias:

Cazarre, M. JaneironRoxo alerta para a conscientização sobre a hanseníase. Agência Brasil. Brasília. 2022. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-01/janeiro-roxo-alerta-para- conscientizacao-sobre-hanseniase

Cortela, D.C.B & Ignotti, E. Lesões visíveis na hanseníase: o papel do cirurgião-dentista na suspeita de casos novos. Rev Bras Epidemiol 2008; 11(4): 619-32.

Filgueira AA, Linhares MSC, Farias MR, Oliveira AGRC, Teixeira AKM. Relação da saúde bucal com reações hansênicas em município hiperendêmico para hanseníase. Cad Saúde Colet, 2020; Ahead of Print. https://doi.org/10.1590/1414-462X202028010033.

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Oral and MaxilloFacial Pathology. Philadelphia, W. B. Saunders Company; 2016.

Russo MP, et al. Aspectos da doença de Hansen relevantes para o cirurgião-dentista: revisão de literatura. Revista Odonto Ciência – Fac. Odonto/PUCRS, v. 20, n. 48, abr./jun. 2005.

Valente J. Ministério da Saúde anuncia ações contra a hanseníase no Janeiro Roxo. Agência Brasil. Brasília. 2022. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-01/ministerio-da-saude- anuncia-acoes-contra-hanseniase-no-janeiro-roxo

Vilhena AT, et al. Atenção odontológica à paciente portadores de hanseníase: uma revisão integrativa. REAS/EJCH | Vol.Sup.18 | e137 | DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e137.2019

Cirurgiã-dentista pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), Mestre, Doutora e Pós-Doutora pela Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB/USP), Professora Dra. do curso de Odontologia do Centro Universitário de Lavras (UNILAVRAS – MG). Atua no consultório nas áreas de Diagnóstico Oral, Cirurgia Oral Menor, Pacientes Especiais e Laserterapia. CROMG: 56425
Profª Dra. Natália Galvão Garcia
Últimos posts por Profª Dra. Natália Galvão Garcia (exibir todos)

Artigos relacionados

Consultório Digital na Odontologia

Consultório Digital na Odontologia

Odontologia Digital
De alguns anos pra cá, muitos consultórios odontológicos vêm digitalizando suas informações. Hoje esse avanço se tornou imprescindível, e um diferencial para as clínicas e consultórios odontológicos, entenda porque.

Education Template