Atendimento de bebês em Odontopediatria

Odontopediatria

A primeira visita do bebê ao Odontopediatra pode ser realizada assim que
houver o nascimento do primeiro dente. Isso ocorre por volta dos 6 meses de idade da criança.

Nessa consulta, é importante realizar o atendimento, mostrando aos pais ou responsáveis como deve ser feita a higiene bucal da criança, bem como, indicar qual o tipo de escova ideal, qual creme dental pode ser utilizado, etc. Além disso, é importante ter uma boa conversa sobre dieta, aleitamento, frequência de escovação, hábitos saudáveis, hábitos deletérios, entres outros assuntos relacionados à saúde bucal.

Técnica joelho-joelho

Para o atendimento, nós Odontopediatras dispomos de algumas técnicas de manejo, sendo uma delas a técnica joelho-joelho. Essa técnica é super simples e muito utilizada. O profissional e um dos responsáveis sentam em cadeiras frente a frente com os joelhos encostados. A criança irá deitar de barriga para cima e posicionar a cabeça para o lado do profissional. Com crianças muito pequenas, geralmente o responsável terá que segurar gentilmente o corpo, pernas e braços do bebê. Isso facilita muito o atendimento e a criança se sente mais segura.

Uso de anestesia no atendimento de bebês

Existem muitos procedimentos que podem ser realizados em um bebê. Por exemplo, o tratamento endodôntico por razão de cárie ou trauma dentário. Nesse caso, envolverá a anestesia onde se faz necessário calcular a dose de segurança para administrar a anestesia. Esse cálculo é feito de acordo com o peso da criança. Sendo o anestésico de escolha geralmente a Mepivacaína.

Banner Odontopediatria em até 12X sem juros

Óxido nitroso em bebês, por que não se deve usar no atendimento?

Não é indicado realizar sedação inalatória por meio do óxido nitroso, pois, para que essa sedação tenha um efeito desejado, o bebê precisa inalar pelo nariz a mistura dos gases. Ou seja, além de bebês ainda não terem maturidade de entender que devem respirar somente pelo nariz, o choro é constante em muitos casos. Isso dificulta o uso do óxido em pacientes muitos pequenos.

Estabilização protetora

Muitos profissionais, para imobilizar o bebê, em casos de procedimentos mais invasivos, utilizam a técnica chamada de estabilização protetora. Essa técnica nada mais é do que um dispositivo na espécie de um casulo, feito de tecido com velcros onde o bebê fica dentro. Essa técnica é realizada para proteger a criança de se mexer e possivelmente se machucar.

Quer saber mais sobre esse tema? Aqui vai uma super dica! Em parceria com a Dental Speed, escrevi um e-book com várias técnicas de manejo para auxiliar no atendimento de Odontopediatras e dentistas que atendem crianças. Para baixar o material é só clicar aqui.

Desejo uma ótima leitura e até a próxima!

Conteúdo relacionado