Anestésicos odontológicos, cardiopatas, hipertensos e asmáticos

Odontologia

Anestésicos odontológicos e intercorrências

Os anestésicos locais são usados diariamente nos consultórios odontológicos, nas diferentes situações clínicas. No entanto, geralmente, os profissionais têm dúvidas na hora de escolher o anestésico ideal diante de um paciente com necessidades especiais.

É consenso na literatura que não se pode indicar o mesmo anestésico para todos os pacientes, dadas suas características individuais, sua condição sistêmica normal, gestacional ou patológica.  Uma vez que o uso inadequado do anestésico pode levar a sérios riscos para a saúde do paciente e até mesmo ao óbito.

Sendo assim, o profissional deve estar apto a eleger o anestésico ideal para cada situação e evitar qualquer tipo de intercorrência que coloque em risco a saúde do paciente.

Anestésicos locais na Dental Speed

Anestésico para gestantes

Quanto se trata de atendimento a pacientes gestantes, muitos cirurgiões-dentistas ainda demostram insegurança. Pois, sabe-se que os fármacos de uso odontológico, como anestésicos locais, passam da mãe para o feto por difusão passiva, por serem moléculas de baixo peso molecular e lipossolúveis.

Os fatores que interferem na quantidade e na velocidade de transferência dos anestésicos via placenta são:

  • Tamanho da molécula – devido ao seu tamanho a prilocaína atravessa mais rapidamente do que os demais anestésicos, podendo causar em doses excessivas um quadro de metemoglobinemia.
  • Grau de ligação do anestésico às proteínas plasmáticas – parte do anestésico absorvido se liga as proteínas plasmáticas restringindo sua passagem para a placenta. Logo, quanto maior a ligação, menor a passagem via placenta. A lidocaína apresenta uma ligação proteica de 64% enquanto a prilocaína apresenta uma ligação de 55%.

O metabolismo dos anestésicos também influencia na sua toxicidade, quando mais rápido for a sua metabolização, melhor. Diante desses aspectos a lidocaína com vasoconstritor (epinefrina) – Lidocaína 2% com epinefrina 1:100.000 ou 1:200.000 – é considerada o anestésico preferencial para ser utilizado nas pacientes gestantes, levando em conta sempre o bom senso em relação a quantidade máxima (Tabela 1).

A articaína também é um anestésico local que apresenta baixa lipossolubilidade, alta taxa de ligação proteica e rápida metabolização e eliminação renal, características consideradas ideias para uma paciente gestante, no entanto, ainda faltam evidências clínicas que comprovem isso.

Quer saber mais sobre lidocaína? Clique aqui.

ebook sobre guia pratico de anestésicos para dentistas

Anestésico para pacientes cardiopatas

O número de pessoas portadoras de doenças cardiovasculares tem aumentado cada dia mais, acarretando também no aumento destes pacientes no consultório odontológico.

Muitas vezes por não saber o que fazer ou até mesmo para se resguardar, o cirurgião-dentista opta por solicitar uma “liberação médica” para realização do tratamento odontológico. E na grande maioria das vezes recebe do médico a seguinte recomendação: “não utilizar anestésico com vasoconstritor”.

A epinefrina em altas doses, principalmente quando administrada intravascular, pode acarretar elevação brusca da PA, frequência cardíaca, força de contração ventricular e débito cardíaco.

No entanto, a epinefrina em pequenas quantidades praticamente não resulta em nenhuma alteração na pressão arterial. Além disso, sabe-se que diante de uma situação de dor ou de estresse o organismo aumenta a secreção de catecolaminas (epinefrina e norepinefrina) em até 40 vezes.

Vale lembrar que o vasoconstritor promove maior duração do efeito anestésico e contribui para redução do sangramento, consequentemente favorecendo um tratamento mais seguro e confortável para o paciente.

Mas qual seria a dose máxima de epinefrina, contida na solução anestésica, que poderia ser utilizada com segurança em um paciente com doença cardiovascular controlada?

A dose máxima é 0,04mg por sessão de atendimento, ou seja, se o anestésico for de concentração 1:100.000 ele possui 0,018mg de epinefrina, podendo ser utilizado 2 tubetes. Se for na concentração de 1:200.000 possui 0,009mg de epinefrina, podendo ser utilizado até 4 tubetes. A concentração de 1:50.000 contém 0,036mg e deve ser evitada.

Anestésico para pacientes com problemas cardiovascular

Sendo assim, em pacientes com alterações cardiovasculares como insuficiência cardíaca congestiva, angina, infarto do miocárdio, podem ser utilizados os anestésicos:

  • Lidocaína 2% + epinefrina 1:100.000 (máximo 2 tubetes);
  • Lidocaína 2% + epinefrina 1:200.000 (máximo 4 tubetes);
  • Articaína 4% + epinefrina 1:100.000 (máximo 2 tubetes);
  • Articaína 4% + + epinefrina 1:200.000 (máximo 4 tubetes);
  • Prilocaína 3% + Felipressina 0,03UI/mL (máximo 3 tubetes)ç

Importante: Em pacientes com arritmia cardíaca, a epinefrina é contraindicada, devendo ser utilizada a prilocaína 3% com felipressina. E dependendo do procedimento odontológico, mepivacaína 3% sem vasoconstritor (Tabela 1).

Anestésico para pacientes com hipertensão

De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, no Brasil existem 43 milhões de hipertensos, distribuídos de acordo com a faixa etária:

  • Cerca de 30% dos adultos;
  • 50% da população acima de 50 anos;
  • 60% da população acima de 60 anos.

A pressão arterial é consequência da força que o sangue faz contra as paredes das artérias para conseguir circular pelo sistema. Quando o coração se contrai (sístole) para expulsar o sangue de seu interior, a pressão nas artérias atinge o valor máximo: é a pressão máxima ou sistólica.

Quando sua musculatura relaxa (diástole) para permitir que o sangue volte para encher suas cavidades, a pressão cai para valores mínimos: é a pressão mínima ou diastólica.

Logo, quando os valores obtidos estiverem elevados, a pressão deverá ser medida 1 a 2 minutos mais tarde. Se permanecerem elevados, o ideal é medi-la novamente em ambiente doméstico. Desse modo, é preciso muita cautela antes de rotular uma pessoa como hipertensa.

De acordo com os critérios internacionais ordenados na tabela abaixo, a pressão arterial pode ser classificada como:

Tabela Hipertensão

Hipertensos no estágio I

  • Lidocaína 2% + epinefrina 1:100.000 (máximo 2 tubetes)
  • Lidocaína 2% + epinefrina 1:200.000 (máximo 4 tubetes)
  • Articaína 4% + epinefrina 1:100.000 (máximo 2 tubetes)
  • Articaína 4% + + epinefrina 1:200.000 (máximo 4 tubetes)
  • Prilocaína 3% + Felipressina 0,03UI/mL (máximo 3 tubetes)

Hipertensos no estágio II

  • Prilocaína 3% + Felipressina 0,03UI/mL (máximo 2-3 tubetes)

Obs: Procedimentos eletivos devem ser evitados. Os procedimentos de urgência e emergência devem ser realizados de forma rápida, máximo de 30 min e sob sedação por via oral ou por óxido nitroso para evitar a elevação da PA. Hipertensos no estágio III ou acima só devem ser atendidos em casos de urgência e em ambiente hospitalar.

Anestésico para pacientes asmáticos

A asma é uma doença obstrutiva crônica que apresenta como principais sinais e sintomas, falta de ar, sibilos (chiados), dor no peito, tosse seca ou produtiva. De acordo com as suas características e frequência os quadros são classificados como asma leve, moderada e severa.

Nestes casos, é importante investigar durante a anamnese a ocorrência de alergias a materiais odontológicos, medicamentos ou substâncias que possam vir a desencadear uma crise durante o atendimento.

As sedações por meio de óxido nitroso e oxigênio pode ser utilizadas para os casos classificados como asma leve e moderada. Mas deve ser evitada nos casos de asma severa, pois o risco de hipóxia é maior.

O uso de anestésicos (lidocaína, mepivacaína ou articaína) com epinefrina não é contraindicado, no entanto, deve-se ter cuidado com os pacientes que fazem uso de corticosteroides e são alérgicos aos sulfitos. Nesses casos, é indicado utilizar prilocaína 3% com felipressina 0,003UI/ml (Tabela 1).

Tabela 1 - Anestésicos Odontológicos

Fique atento às particularidades e necessidades de seus pacientes. Trate-o como você gostaria de ser tratado, sempre com cuidado e respeito. Seja um cirurgião-dentista de pessoas e não apenas de dentes!

Até a próxima!

Referência: Terapêutica Medicamentosa em Odontologia – Eduardo Dias Andrade

Conteúdo relacionado