Você sabia que os profissionais de odontologia são mais suscetíveis à doenças ocupacionais? Isso acontece devido a rotina profissional e postura de trabalho. Vamos entender as causas e como adotar hábitos ergonômicos no seu dia-a-dia.

Ergonomia é a ciência responsável por proporcionar aos trabalhadores conforto no ambiente de trabalho e atuar na prevenção de acidentes e doenças relacionadas às atividades exercidas na profissão.

A ergonomia odontológica é fundamental para o aumento de produtividade do cirurgião dentista e a redução de problemas de saúde no exercício da profissão. Visto que profissionais de odontologia permanecem na mesma posição durante um longo período, realizando movimentos repetitivos, causando dores na coluna e nos membros superiores. Por isso é muito importante aplicar a ergonomia no dia-a-dia, para evitar lesões por esforço repetitivo (LER) e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT).

O que é ergonomia na Odontologia?

A ergonomia na odontologia pode ser definida como medidas ocupacionais para diminuir o estresse físico e mental no atendimento clínico, prevenindo doenças relacionadas à profissão.

Sendo assim, os fatores que influenciam na pré-disposição à doenças ocupacionais são:

  • jornada longa de trabalho;
  • pouco intervalo entre os atendimentos;
  • postura inadequada;
  • movimentos repetitivos;
  • Influência do mobiliário odontológico.

Como consequência desses fatores, há sobrecarga nos ombros, cervical e membros superiores, podendo causar distúrbios ortopédicos e posturais.

 

Quais as principais doenças ocupacionais do cirurgião dentista?

As doenças mais comuns entre os dentistas são as Lesões por Esforço Repetitivo (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), que são as patologias encontradas na região da coluna cervical, cintura escapular e membros superiores.

Ou seja, atingem músculos, fáscias, sinóvias, tendões, nervos e ligamentos, de forma isolada ou combinada.

Dessa forma, as regiões mais atingidas são a coluna cervical, dorsal e membros superiores.

Contudo, o dentista deve ficar atento à organizar sua rotina de trabalho seguindo práticas ergonômicas, ficar atento à correções posturais e praticar atividades físicas para evitar lesões e ter maior rendimento e qualidade de vida.

A postura adotada pelo dentista nos atendimentos é com a cervical e a torácica em flexão, deixando a lombar muitas vezes sem apoio, além de realizar a rotação do tronco. Ou seja, todos esses fatores, associados à um longo período na mesma posição, contribuem para o surgimento das lesões.

Sendo assim, as doenças ocupacionais mais comuns na odontologia são:

  • Tendinite;
  • Bursite;
  • Epicondilite;
  • Sindrome do túnel do carpo e ulnar;
  • Ombro doloroso;
  • Sindrome cervical;
  • Hérnia Cervical;
  • Cervicobraquialgia.

 

Como prevenir as doenças ocupacionais na odontologia?

Antes de tudo, incluir na rotina os procedimentos de ergonomia na Odontologia é fundamental para evitar lesões, além de atividade física regular.

Juntamente com a prática de exercício físico para fortalecer grupos musculares importantes e estabilizar a coluna lombar, cervical e membros superiores.

O dentista pode prevenir LER/DORT da seguinte forma:

Em primeiro lugar, ajustar o mobiliário:

  • As bancadas de trabalho devem permitir que o corpo trabalhe na posição vertical, sem curvar o tronco e sem elevar membros superiores;
  • Organizar e adaptar os móveis de forma que eles possibilitem posições ergonômicas;
  • Escolher equipamentos ergonomicamente adequados

Além disso, corrigir a postura:

  • Adotar postura ergonômica correta;
  • Alternar procedimentos que precisam de maior e menor esforço;
  • Evitar ficar em posição estática por muito tempo;
  • Evitar movimentos repetitivos;
  • Realizar procedimentos sem flexionar a coluna vertebral para frente;
  • Executar procedimentos próximo à altura do cotovelo

Do mesmo modo, adquirir hábitos diários:

  • Pequenas pausas entre os procedimentos;
  • Alongamento;
  • Ginástica laboral;
  • Uso de estabilizador de polegar;
  • Uso de estabilizador de punho;

Ou seja, os exercícios de alongamento e ginástica laboral favorecem a flexibilidade das articulações dos ombros, cotovelos, punhos e mãos.

Bem como as pausas entre os procedimentos aliviam a tensão muscular e previnem dor.

Ainda assim, o uso de estabilizadores de punho e polegar previnem e tratam lesões, além de auxiliar no equilíbrio muscular.

Conheça um pouco mais sobre os estabilizadores:

Estabilizador de Polegar Actimove RhizoForte:

Realiza a imobilização do polegar sem restringir os movimentos do punho e demais dedos.

Ou seja, é indicado para:

  • Instabilidades ligamentares;
  • Osteoartrose do polegar;
  • Lesões do ligamento colateral ulnar;
  • Artrite reumatóide

Estabilizador de Punho Actimove ManuMotion:

Realiza a estabilização do punho em posição anatômica.

Sendo assim, é indicado para:

  • Distorções;
  • Artrite;
  • Artrose;
  • Tenossinovite

 

Como vimos até aqui, não executar práticas ergonômicas na rotina do consultório pode comprometer a saúde e qualidade de vida do dentista, gerando dores e baixo rendimento.

Então, a LER e DORT na odontologia são doenças comuns, mas que podem ser evitadas com a adoção de protocolos preventivos.

Desse modo, para prevenir patologias ocupacionais é necessário realizar uma boa escolha de equipamentos e disposição de mobiliários, ter cuidados ergonômicos em relação à postura de atendimento clínico e realizar a mudança de hábitos diários, que inclui atividades físicas e uso de estabilizadores de punho e polegar.

 

Quer saber mais sobre ergonomia na odontologia?

Escreva suas dúvidas nos comentários. Vamos adorar conversar com você!

Dental Speed

Conteúdo relacionado