Endodontia para dentes decíduos

Endodontia

Mesmo em dentes decíduos não é incomum que precisem de tratamento de canal. Os motivos podem ser amplos, desde um trauma, que na infância é comum como batidas e quedas, ou por conta de uma lesão de cárie avançada.

Os dentes decíduos possuem raízes compatíveis com cada estágio de desenvolvimento e por isso é necessária preservá-la até a completa esfoliação e troca do dente decíduo para permanente. Traumatismos como batidas, quedas e lesões por cárie podem evoluir para inflamações/infecções e acometer a polpa dentária, sendo necessário o tratamento de canal.

Porque tratar canal em dentes decíduos?

A manutenção dos dentes decíduos é um dos principais objetivos da odontopediatria, já que ele é essencial para estética, mastigação, fonética, função e na orientação de dentes permanentes.

A falta de tratamento, além de causar problemas como dor, fístula, abscessos e até extração do elemento dentário, pode acarretar em disfunções respiratórias e fonéticas, hipotonia do músculo perioral, perda de espaço, atraso e má oclusão da dentição permanente, além de impactos na qualidade de vida da criança.

 

Como identificar a necessidade do tratamento de canal?

Grande parte das pessoas desconhece que o dente de leite tem raiz, pois quando o dente de leite cai, vemos apenas a coroa com a raiz já reabsorvida. Mas assim como o dente permanente, os dentes de leite também possuem raiz e eventualmente também precisam de tratamento de canal.

As duas situações mais frequentes que necessitam de tratamento de canal são:

Lesão por cárie

Quando ativa e não tratada para paralisação da lesão, a progressão fará com que a criança sinta dor ao se alimentar e muitas vezes associada com aparecimento de físula e abscessos faciais.

Traumatismos

Quando ocorre fratura do elemento dentário acompanhado de exposição da polpa dentária ou pela resposta da polpa dentária em decorrência de traumatismos frequentes.

Como é o tratamento de canal em dentes decíduos?

Quanto ao tratamento endodôntico, esse é um pouco diferente de um tratamento de canal comum em um dente permanente. Contudo, ele envolve alguns passos semelhantes ao tratamento de canal de dentes permanentes, por exemplo:
  • O raio x inicial;
  • Medição do comprimento do canal;
  • Isolamento;
  • Remoção de teto da câmara pulpar.

Contudo, o germe do dente permanente em desenvolvimento é muito próximo da raiz do dente decíduo, por isso, o tratamento endodôntico deve ter a indicação correta e ser feito de forma que não haja lesão no germe do dente em desenvolvimento.

Porém, o que mais diferencia é o material obturador. Isto é, nos decíduos existem vários materiais para obturação, geralmente são em forma de pastas manipuladas na hora. O material é diferente da gutapercha, porque precisa ser um material reabsorvido junto com a raiz. Assim, para que quando chegar o momento de troca do dente, o material reabsorva junto.

Além disso, precisa ser um material com uma boa aderência e inofensivo ao germe do dente permanente que está em desenvolvimento. Diante disso, várias pesquisas científicas sugerem usar o óxido de zinco e eugenol ou pastas com a base de hidróxido de cálcio por ser um material extremamente biocompatível.

Odontopediatria

Conteúdo relacionado

Vamos falar sobre Setembro Amarelo?

Vamos falar sobre Setembro Amarelo?

Odontologia
Falar sobre Setembro Amarelo é falar sobre salvar vidas, por isso, leia mais sobre essa importante campanha de conscientização e combate ao suicídio.