A limpeza e desinfecção do ambiente odontológico sempre foi muito importante na rotina clínica, e agora, em meio à pandemia de Covid-19  precisa ser intensificada.

O risco de contaminação em ambiente odontológico é grande, afinal a comunicação é face a face com os pacientes, o profissional tem contato direto com sangue, saliva e demais fluídos corporais dos pacientes, além disso são utilizados diversos equipamentos odontológicos que produzem aerossóis e gotículas.

Portanto, antes de iniciar as atividades diárias e após cada atendimento, é necessário realizar a limpeza e a desinfecção do consultório, dos equipamentos e dos instrumentais. Nesse sentido, é importante também incluir na rotina a limpeza e desinfecção de áreas e objetos comuns do consultório, como banheiros, recepção, maçanetas, cadeiras, etc.

Agentes de desinfecção

Conforme orientações do Conselho Federal de Odontologia, existem produtos que são efetivos nesta tarefa.

Ao utilizar os agendes de desinfecção citados acima, o local precisa ser limpo previamente onde estiver sujeira visível, com toalhas de papel, água e detergente, sendo que a desinfecção com álcool deve ser repetida por 3 (três) vezes. Evite utilizá-los em materiais como acrílicos, borrachas e plásticos podem endurecer e deixam os materiais amarelados.

Quanto aos agentes citados acima, não é necessário a limpeza previa, pois eles limpam e desinfetam simultaneamente.

 

Confira a tabela abaixo com as orientações sobre cada agente:

Tabela do CFO sobre agendes de desinfecção
Fonte: Manual de boas práticas em Biossegurança para ambientes odontológicos do CFO.

 

Igualmente, outra opção com foco em qualidade e agilidade na limpeza e desinfeção e que tornará a rotina mais fácil, é o uso de  lenços umedecidos desinfetantes à base de Quaternário de amônio. Esse tipo de produto, que serve para limpeza de superfícies, vai gerar economia de tempo e de materiais como gazes, algodão e papéis.

Veja mais informações no vídeo a seguir:

Limpeza e a desinfecção do consultório

Após cada atendimento, deixe a sala sob ventilação com portas e janelas abertas por no mínimo 15 minutos, para que o aerossol formado possa ser dispersado. Passado esse tempo, comece a recolher todos os resíduos gerados durante o procedimento. Tudo o que for descartável deverá ser colocado em lixo infectante, já os instrumentais e peças de mão utilizadas deverão ser direcionados ao expurgo para passar pelo processo de limpeza, desinfeção e esterilização.

Na sequência, deve ser realizada a limpeza terminal do consultório, incluindo a cadeira odontológica, mesas e bancadas, mocho e cadeiras, chão e paredes do consultório. O ideal é que sejam retirados das bancadas tudo que não for útil para o atendimento, facilitando o processo de limpeza e desinfecção.

Dessa maneira, a pessoa que realizará a limpeza e desinfecção deve estar paramentada e precisa seguir os seguintes princípios:

  1. começar da área menos contaminada para mais contaminada;
  2. de cima para baixo;
  3. de dentro para fora.

Contudo, algumas superfícies não permitem receber produtos químicos, pois estes podem danificar e prejudicar o funcionamento dos equipamentos. Neste caso, pode-se optar pelo uso de barreiras mecânicas, com filmes de PVC ou sacos plásticos. Já em superfícies como carrinho auxiliar e bancada podem ser utilizadas barreiras de TNT (tecido não tecido), lembrando que todas as barreiras precisam ser trocadas entre cada atendimento.

 

Limpeza e desinfecção dos ambientes comuns

Assim como na sala de atendimento, é fundamental fazer uma limpeza minuciosa nos demais ambientes da clínica, como sala de espera e banheiros. Conforme já citamos no blogspost “Atendimento e cuidados com os pacientes” é necessário disponibilizar um tapete desinfectante para limpeza dos pés na entrada da clínica.

Outro ponto é retirar e os objetos que antes ficavam em bancadas e prateleiras, bem como restringir ou controlar objetos utilizados pelos pacientes como canetas, pranchetas e telefones para evitar contaminação. As cadeiras também devem ser distribuídas de forma que mantenha a distância de 1 metro entre um paciente e outro e deverão ser desinfectadas sempre que o paciente sair do local para ser atendido.

É preciso também manter o ambiente ventilado, deixe portas e janelas abertas para passagem de ar, pois equipamentos de ar condicionado comuns não fazem reposição do ar, apenas reaproveitam o mesmo ar do local. Considere também fazer a manutenção e troca do filtro de ar condicionado.

 

Banner de produtos de biossegurança

 

Finalmente, o consultório odontológico precisar ser um ambiente de máximo controle. A rotina de limpeza e desinfecção precisa ser feita de forma rigorosa para proteger os profissionais de odontologia, dentistas, secretárias, auxiliares e os pacientes de infecções, não só de COVID-19 como dos demais vírus e bactérias existentes.

Para mais informações você pode acessar o Conta com a gente, uma página que criamos com dicas e conteúdos preparados especialmente para ajudar os profissionais da odontologia a passar por esse momento e estimular o retorno seguro ao consultório.

Até a próxima!

Equipe Dental Speed

 

 

Produto teste de covid-19