Se você é uma daquelas pessoas que ainda não faz cirurgia guiada em Implantodontia por pensar que algo é difícil e que vai complicar sua rotina, esse texto é pra você! 

Cirurgia Guiada em Implantodontia

Mudar sempre é difícil, sair da nossa zona de conforto dá trabalho, por essas e outras razões que muitos implantodontistas sequer cogitam entrar no workflow digital. Mas pra que?”, Está funcionando tão bem assim!”, “Deve precisar de muito investimento, não se encaixa na minha realidade…”, essas são algumas das frases que já ouvi várias vezes de colegas. Por isso, resolvi elencar 5 razões pra você entrar logo na Implantodontia Digital: 

1. Não precisa de grandes investimentos

De antemão, para você fazer cirurgia guiada atualmente você não necessita ter um scanner no consultório, muito menos uma impressora 3D. Antes de tudo, você vai precisar é adquirir o kit de cirurgia guiada da marca de implantes que você utiliza. Anteriormente, esses kits tinham grande valor agregado. Porém hoje já estão super acessíveis e muitas empresas convertem o valor do kit em implantes, tornando muito tranquilo para qualquer implantodontista adquirir o seu. 

 2. Não precisa de mais um curso 

Além disso, outra objeção muito comum que ouço é essa: “Ah, mas vou precisar fazer outro curso…”, quando na verdade, não. Atualmente, cursos de credenciamento já não são obrigatórios. Porém, as empresas de implantes costumam disponibilizar cursos rápidos para introduzir o assunto, explicar o modo de uso do seu kit, realizar um hands-on, etc. Contudo, esses cursos são muito interessantes de se realizar, uma vez que cada kit de cirurgia guiada tem suas especificidades. Isto é, é extremamente importante você entender exatamente como funciona aquele com o qual você está trabalhando. Porém, hoje, os consultores das empresas também fazem esse trabalho, além de ter uma série de vídeos e tutoriais online disponíveis para esse fim. 

Produtos de implantodontia

3. Não precisa um expert em tecnologias 

Se essa é a sua objeção, você pode ficar tranquilo! Muitas pessoas acham que vão ter que ser experts nos softwares de planejamento e por não serem adeptos as tecnologias, acabam não se interessando pela modalidade. Todavia, a primeira cirurgia guiada que fiz, há aproximadamente 3 anos atrás, fiz praticamente tudo: desde o planejamento do posicionamento do implante no software até o desenho do guia cirúrgico. Apesar disso, hoje, isso não é mais necessário. Atualmente existem os Centros de Planejamento, que já são vários espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Assim, o centro faz todo o planejamento e envia as imagens para sua aprovação, você solicita as mudanças necessárias, até que o(s) implante(s) fiquem na posição ideal, aquela que você quer colocar. Apenas após a aprovação, eles confeccionam o guia e enviam pra você. Mesmo que não tenha um centro desse na sua cidade, não há problema algum. Pois todo o planejamento é feito remotamente, por WhatsApp ou e-mail, e depois de pronto, eles enviam o guia pra você pelos correios/transportadoras. Viu como é fácil? 

4. Facilita sua vida 

A cirurgia guiada é um facilitador, já que muitas vezes colocamos um implante que não fica na posição desejada. Contudo com a cirurgia guiada essa possibilidade é mínima. Ou seja, as cirurgias costumam ficar muito semelhantes ao planejamento desenhado no software, sendo assim: o implante fica na posição ideal, facilita a etapa protética, reduz o tempo, possui mais previsibilidade! Além de tudo você tem uma super ajuda para fazer o planejamento: Os Centros de Planejamento tem profissionais altamente capacitados que estão ali para ajudar você. 

 

5. Pouco acréscimo de custo pro seu paciente 

Enfim, para realização desse tipo de cirurgia, seu paciente precisará realizar, além da tomografia, um escaneamento da arcada. Além disso, será acrescido à cirurgia o valor cobrado pelo Centro de Planejamento: pela realização do planejamento e pelo guia, esses valores variam bastante conforme o local, mas são custos totalmente – e cada vez mais – acessíveis. Nesse sentido, fica a seu critério, juntar esse custo ao tratamento e agregar valor ao seu trabalho, ou passar esse custo separadamente ao paciente (o que acaba sendo mais fácil de fechar os casos inicialmente).  

 

Mas então como faz? 

Em síntese, para realizar o planejamento, você vai precisar de dois arquivos: o DICOM que é o arquivo gerado pela tomografia, e o STL que é o arquivo gerado pelo escaneamento. Primeiramente, você vai solicitar uma tomografia de toda a arcada para gerar mais estabilidade ao guia. Posteriormente, um escaneamento da arcada, que já são realizados nas melhores clínicas de Radiologia do país. 

Por fim, com isso em mãos, você vai analisar as imagens e fazer seu diagnóstico. Além disso, você pode avaliar os cortes enviados pela radiologia, da forma tradicional que você já está habituado, ou, colocar o arquivo DICOM em um software de planejamento (já existem alguns livres que você não paga para adquirir e há centenas de tutoriais na internet ensinando como fazer um planejamento básico).  

Em suma, eu recomendo fortemente essa última opção. Não apenas por ser muito interessante você mesmo fazer o planejamento através do software, como também sempre aparecem outras possibilidades. Aliás, hoje, mesmo que eu não realize a cirurgia guiada, faço todos os meus planejamentos por ali, pois mudou completamente minha forma de diagnosticar, operar e executar. Bem como tenho certeza que vai abrir um novo horizonte para você também! 

Por fim, depois do seu diagnóstico, encaminhe os arquivos (DICOM e STL) ao Centro de planejamento e então é só aprovar o planejamento e aguardar o guia!  

Sem dúvida a cirurgia guiada possui diversos benefícios: Cirurgia limpa, muitas vezes sem incisões, previsível, rápida, etapa protética facilitada, pacientes e dentistas felizes.

Espero que vocês aproveitem as dicas e entrem logo para esse mundo, que, como sempre digo: não é mais o futuro, é o presente, pessoal! Não fique para trás!