Como entender exames de sangue na odontologia

Odontologia

Exames de sangue na odontologia

O método diagnóstico na área da saúde se complementa, muitas vezes com o auxílio de exames subsidiários, os quais são de grande valia não só para o estabelecimento do diagnóstico, como também para o planejamento, medidas preventivas, alternativas terapêuticas e prognóstico do paciente. 

Por isso, é de suma importância a interpretação de exames para melhor diagnóstico do paciente na odontologia.

Além disso, de acordo com a Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego (n° 397/2002), compete ao Cirurgião-Dentista solicitar exames complementares, entre eles, a solicitação de risco cirúrgico e exames laboratoriais em geral.

Desse modo, além de saber identificar a presença de aspectos que indiquem a solicitação de exames laboratoriais na Odontologia, os cirurgiões dentistas devem saber interpretá-los com propriedade para a prevenção de complicações Peri operatórias.

Com isso, para uma interpretação adequada não basta comparar os valores obtidos pelo paciente com os valores de referência. É necessário saber o que significa cada alteração encontrada e o que esta exige como medidas preventivas a fim de evitar intercorrências durante o tratamento.

Ebook como aprimorar o desempenho na prática clínica

Exame de sangue (hemograma)

O exame de sangue (hemograma) é um dos exames mais solicitados devido à grande quantidade de informações fornecidas, à facilidade de sua realização e ao custo acessível.

O chamado hemograma completo é constituído pelo eritrograma (série vermelha), leucograma (série branca) e pelas plaquetas (série plaquetária), como pode ser observado na imagem a seguir.

tabela de exame de sangue (hemograma)

Eritrograma série vermelha

Avalia os eritrócitos (hemácias), glóbulos vermelhos anucleados, os quais tem como principal função, transportar oxigênio e nutrientes para os tecidos.

Eritrócitos (E): contagem de eritrócitos por mm3 de sangue total

  • Eritrocitose: acima do normal (pode indicar falha na medula óssea – policitemia)
  • Eritropenia: abaixo do normal (sugere quadro de anemia)

Hemoglobina (Hgb): dosagem de Hgb encontrada em 100ml de sangue.

A dosagem de hemoglobina é o melhor resultado do hemograma para concluir se um paciente está anêmico.

Hematócrito (Hct): percentual do sangue que é ocupado pelos eritrócitos.

O Hct representa a proporção entre a parte sólida e a parte líquida do sangue.

Esses três primeiros dados, contagem de eritrócitos (E), dosagem de hemoglobina (Hgb) e hematócrito (Hct) são analisados em conjunto e indicam a presença de anemia ou policitemia no paciente.

VCM – Volume Corpuscular Médio: volume médio de cada eritrócito.

Um VCM elevado indica hemácias macrocíticas (grandes) e um VCM reduzido indica hemácias microcíticas (pequenas). Esse dado é importante para diferenciar os tipos de anemia. Por exemplo, anemias por carência de ácido fólico e vitamina B12 apresentam hemácias macrocíticas, enquanto anemias por deficiência de ferro apresentam hemácias microcíticas.

HCM – Hemoglobina Corpuscular Média:

Corresponde ao peso da hemoglobina dentro dos eritrócitos.

CHCM – Concentração de Hemoglobina Corpuscular Média:

Avalia a concentração de hemoglobina em cada eritrócito.

Esses dois valores indicam basicamente a mesma coisa: a quantidade de hemoglobina nas hemácias. Quando as hemácias têm pouca hemoglobina, elas são ditas ‘hipocrômicas’ e quando têm muita hemoglobina, são ‘hipercrômicas’. Sendo assim, esses dados também são relevantes para identificação do tipo de anemia.

Olá estudante de odontologia? Que tal entrar para o programa embaixador Dental Speed!

Leucograma série branca

Avalia quantitativamente e qualitativamente os leucócitos, conhecidos como glóbulos brancos, os quais são considerados as células de defesa do nosso organismo.

Leucócitos: quantidade total de glóbulos brancos

  • Leucocitose: acima do normal (geralmente indica infecção)
  • Leucopenia: abaixo do normal (sugere depressão da medula óssea)

Além disso, na contagem diferencial de leucócitos são avaliados os diferentes tipos: os granulócitos (neutrófilos, eosinófilos, basófilos) e os agranulócitos (linfócitos e monócitos).

Neutrófilos:

São o tipo de leucócito em maior número na corrente sanguínea, representando 45% a 75% dos leucócitos circulantes. São os responsáveis pelo combate aos processos infecciosos de origem bacteriana.

  • Neutrofilia: acima do normal (pode indicar infecção bacteriana)
  • Neutropenia: abaixo do normal (sugere paciente debilitado com maior risco de infecção pós-operatória)

Além disso, vale ressaltar que os neutrófilos do tipo segmentados ou bastonetes são neutrófilos jovens, sendo a sua presença em maior quantidade, um indício de um processo infeccioso em curso, também conhecido como “desvio à esquerda”.

Eosinófilos:

são os leucócitos responsáveis pelo combate de parasitas, reações alérgicas e hipersensibilidades.

  • Eosinofilia: acima do normal (pode indicar parasitoes e alergias)
  • Eosinopenia: abaixo do normal (sugere uso de corticoides, processos inflamatórios, estresse)

Basófilos:

São o tipo menos comum de leucócitos no sangue. Sua elevação normalmente ocorre em processo alérgicos e inflamatórios crônicos.

Linfócitos:

São o segundo tipo mais comum de glóbulos brancos. Os quais são responsáveis pelo combate às infecções virais, surgimento de tumores e produção de anticorpos.

  • Linfocitose: acima do normal (pode indicar infecção viral aguda)
  • Linfopenia: abaixo do normal (sugere paciente debilitado – HIV +)

Monócitos:

São ativados tanto em processos virais quanto bacterianos. Além disso, encontram-se aumentados após quimioterapia.

Plaquetas série plaquetária

Avalia quantitativamente as plaquetas, as quais modulam a coagulação.

Plaquetas: número de plaquetas presentes.

  • Trombocitose: acima do normal
  • Trombocitopenia: abaixo do normal

Assim, tanto o aumento quanto o número reduzido de plaquetas podem ser causados por situações diversas. Vale ressaltar que diante de um quadro de trombocitopenia (↓ de 90.000), aumentam as chances de processos hemorrágicos até mesmo em procedimentos cirúrgicos simples.

Conclusão de como entender o exame de sangue

Diante dessas informações, é fato que os exames laboratoriais, como o exame de sangue, são de grande valia para o cirurgião dentista, pois, permite que o profissional evite situações de infecções secundárias, má cicatrização, processos hemorrágicos, entre outras complicações no tratamento odontológico.

Desta forma, profissionais que solicitam e sabem interpretar exames laboratoriais estão oferecendo maior segurança e conforto aos seus pacientes.

Cirurgiã-dentista pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), Mestre, Doutora e Pós-Doutora pela Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB/USP), Professora Dra. do curso de Odontologia do Centro Universitário de Lavras (UNILAVRAS – MG). Atua no consultório nas áreas de Diagnóstico Oral, Cirurgia Oral Menor, Pacientes Especiais e Laserterapia. CROMG: 56425
Profª Dra. Natália Galvão Garcia
Últimos posts por Profª Dra. Natália Galvão Garcia (exibir todos)

Artigos relacionados

Infecções Fúngicas na Odontologia

Infecções Fúngicas na Odontologia

Artigos mais lidos
Confira as principais infecções fúngicas que acometem a cavidade bucal – Candidíase (sapinho), Paracoccidioidomicose e Histoplasmose – e a importância do cirurgião-dentista para o diagnóstico precoce, tratamento e encaminhamento médico.

Education Template