Clorexidina: Indicações e contra-indicações na Odontologia

Biossegurança

O uso da Clorexidina na Odontologia 

Ao iniciar qualquer tratamento, é necessário reduzir microorganismos que podem comprometer a saúde do paciente. Por isso, hoje existem diversas substâncias que tornam os procedimentos odontológicos mais seguros, uma delas é a Clorexidina.

O que é Clorexidina

É um antisséptico químico com ação antibacteriana contra bactérias gram positivas e gram negativas. Ou seja, sua ação permite que a substância se una às paredes microbianas e outros complexos, alterando o equilíbrio osmótico dos microrganismos. Dessa forma, ela é absorvida sobre a hidroxiapatita do esmalte, proteínas salivares e placa bacteriana, e através desses locais de retenção ela é liberada gradualmente por até 8 horas. 

A Clorexidina na Odontologia apresenta-se segura pois o seu índice de toxicidade é baixo, sendo uma molécula estável e quando ingerida é eliminada pelas fezes quase que na sua totalidade. Porém, quantidades mínimas são absorvidas pelo trato intestinal e eliminadas pelos rins e fígado

Em suma, quando em baixa concentração é considerada bacteriostática e em alta concentração, bactericida. 

Indicações na Odontologia

O uso da Clorexidina na Odontologia pode ser indicado para diversas áreas e de diferentes formas. Primeiramente, a indicação mais comum e mais utilizada pelos clínicos gerais e periodontista é a solução para bochecho. Com a finalidade de redução de placa bacteriana e no tratamento da gengivite, a concentração indicada é de 0,12%. Assim, a solução permite o controle químico da placa bacteriana, principalmente em pacientes especiais com situação motora comprometida. 

A Clorexidina com concentração de 0,12% pode ser indicada através de bochechos diários, duas vezes ao dia, por um minuto ou de acordo com cada caso. Contudo, evidências científicas mostram que o bochecho com a solução logo após a higiene oral pode não trazer resultados tão efetivos. Sendo assim, recomenda-se aguardar 30 minutos após a escovação para realizá-lo.  

Além disso pesquisas apontam que oferecer o bochecho de Clorexidina antes de iniciar o tratamento dentário no consultório tem sido uma forma de redução de microrganismos viáveis no aerossol.  

A substância também pode ser utilizada como solução irrigadora nos tratamentos endodônticos, auxiliando a limpeza dos canais junto da instrumentação, sendo uma alternativa ao hipoclorito de sódio. Bem como, pode ser utilizada antes de cirurgias e no pós-cirúrgico para enxague – sem bochecho – para que a pressão não remova o coágulo.  

Produtos de biossegurança para consultório odontológico na dental speed

Uso extra oral

Quanto ao seu uso extra oral, a Clorexidina é indicada para antissepsia da face do paciente antes de iniciar procedimentos cirúrgicos e de harmonização orofacial. Neste caso a concentração indicada deve ser 2%. 

Quando utilizada na antissepsia das mãos do profissional e na desinfecção de superfícies do consultório a sua concentração deve ser de 4% e 1% respectivamente.

Para desinfecção de instrumentais limpos sua concentração é de 0,05%, deixando-os submersos por 30 minutos. 

A solução também pode ser utilizada para limpeza de próteses contribuindo para a redução da formação do biofilme e melhora da condição da mucosa do paciente, principalmente em casos de estomatite protética. Isto é, a imersão das próteses na solução previne a recorrência da infecção, porém quando em uso prolongado pode alterar a cor das próteses não sendo a solução mais indicada. 

Contra-indicações: 

Apesar de ser um medicamento seguro, não é indicado para pacientes com sensibilidade ao digluconato de clorexidina ou a qualquer um dos outros componentes do enxaguante bucal.  

Quando realizado bochechos diário com a Clorexidina 0,12% ocasionalmente, pode haver a diminuição de paladar, com retorno à normalidade após suspender o uso. Se acaso o uso se der a longo prazo (mais que 15-18 dias) pode pigmentar restaurações e a película adquirida que está adsorvida ao dente. Porém, estes pigmentos são facilmente removidos em profilaxia de rotina.

Além disso, pode ocorrer também uma descamação reversível da mucosa, xerostomia e aumento dos depósitos calcificados supra gengivais (cálculo dental). 

 

Referências 
KLUK, E. et al. UMA ABORDAGEM SOBRE A CLOREXIDINA: AÇÃO ANTIMICROBIANA E MODOS DE APLICAÇÃO. Revista Gestão & Saúde, v. 14, n. 1, p. 07 – 13, 2016. 
GATELLI, GECYCA; BORTOLINI, MARIA CECÍLIA TEZELLI. O USO DA CLOREXIDINA COMO SOLUÇÃO IRRIGADORA EM ENDODONTIA. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 20, n. 1, out. 2014 

EJVIND BUDTZ-JORGENSEN; ANETTE MILTON KNUDSENCHLORHEXIDINE GEL AND STERADENT® EMPLOYED IN CLEANING DENTURES,Acta Odontologica Scandinavica,36:2,83-871978. 

Cirurgiã-dentista CRO 16779 em Blog Dental Speed
Cirurgiã-dentista, realiza atendimentos de adultos e crianças como clínica geral. Apaixonada por Ortodontia e Harmonização Orofacial. CRO 16779
Dra. Fernanda Junqueira
Últimos posts por Dra. Fernanda Junqueira (exibir todos)

Artigos relacionados

Infecções Fúngicas na Odontologia

Infecções Fúngicas na Odontologia

Artigos mais lidos
Confira as principais infecções fúngicas que acometem a cavidade bucal – Candidíase (sapinho), Paracoccidioidomicose e Histoplasmose – e a importância do cirurgião-dentista para o diagnóstico precoce, tratamento e encaminhamento médico.

Education Template