Ao recebermos um paciente em nosso consultório, devemos pensar que, naquele momento, ele deposita em nós sua confiança e expectativa, e nós devemos oferecer em troca todo nosso conhecimento adquirido, de maneira clara e objetiva.

Sabemos que na área da odontologia, a ortodontia é a especialidade que mais tempo se dedica ao mesmo tratamento; para a finalização, leva-se em média 36 meses. O paciente precisa ter ciência, já de início, quais são seus deveres, sendo esclarecido que o sucesso, a boa finalização e o cumprimento do prazo de finalização estimado, dependerá dele também.

Individualizá-lo é fundamental, buscando entender suas queixas e associá-las com nossas percepções clínicas, sob os cuidados de nosso conhecimento técnico-científico e dos exames complementares, visando assim, com nossa ortodontia, aumentar sua qualidade de vida através da prevenção, interceptação e/ou correção da sua maloclusão. Devemos informar ao paciente tudo o que for relevante, as limitações e a necessidade ou não de tratamentos multidisciplinares associados a ortodontia (no âmbito da odontologia ou de outras áreas como fonoaudiologia, otorrinolaringologia, fisioterapia) com intuito de alcançar resultados estáveis.

Já dizia o conceituado Dr. G. William Arnett, “tratamos aquilo que fomos educados a enxergar, então quanto mais enxergamos, melhor trataremos nossos pacientes'.

Somente após toda essa fundamental fase de diagnóstico, fica indicado traçar o nosso plano de tratamento. Na maioria dos casos, oferecer mais de uma opção de terapia ortodôntica também é interessante, buscando assim partilhar com o paciente as formas que podemos utilizar para alcançar os objetivos, já bem delineados e lançar mão de suas preferências, dentre nossas opções oferecidas.

Após fechamento do diagnóstico e planejamento, saliento a importância de registrar por escrito as queixas, propostas, limitações, tipo de terapia selecionada, prazo, esclarecimentos. E então esse documento é assinado por nós, ortodontistas e pelo nosso paciente.

Saliento também, demonstrar técnicas de escovação, apresentar os itens especiais para a higiene, os cuidados que ele deve ter com a alimentação, consequências de quebras do aparelho e claro a importância de sua presença nas consultas e colaboração. Ortodontia é tratamento e ele deve estar bem ciente de suas responsabilidades. Essas devem estar na mesma proporção de suas expectativas.

Ouvir e cuidar do nosso paciente com muito profissionalismo e carinho, respeitando suas expectativas e trabalhando em suas queixas, mas também exigindo suas obrigações durante o tratamento. Esse detalhe, faz uma enorme diferença.

Um bom relacionamento ortodontista-paciente é uma das chaves para o sucesso.

Confira outros artigos sobre Ortodontia


Dra. Thalita Varela Galassi

Dra. Thalita Varela Galassi
Ortodontista
Mestranda em Ciências da Reabilitação USP Bauru

Artigos Relacionados

Mini-Implantes no palato. O que você precisa saber?

Mini-Implantes no palato. O que você precisa saber?

Conteúdo Especial
A região do palato é um dos locais mais favoráveis para a instalação de mini-implantes. Fatores como fácil acessibilidade, cobertura total de gengiva queratinizada e boa qualidade óssea em sítios específicos contribuem para a redução do risco de inflamação e aumento da estabilidade primária
Aparelho e Saúde Bucal

Aparelho e Saúde Bucal

Especialidades
São necessários cuidados especiais com a saúde bucal dos pacientes que utilizam aparelho. Aparelhos dentais são todos os dispositivos utilizados, de forma fixa ou temporária, nos dentes. Auxiliam a correção dental, substituem dentes ausentes e contribuem para a melhora da estética e função, harmonizando o sorriso. Por serem estruturas em íntimo contato com os dentes dificultam a correta higienização e contribuem para o acúmulo de placa bacteriana. Por este motivo, os cuidados com a saúde bucal devem ser redobrados.
ORTODONTIA: 10 DICAS PARA UMA COLAGEM DIRETA EFICAZ

ORTODONTIA: 10 DICAS PARA UMA COLAGEM DIRETA EFICAZ

Dentista de Sucesso
Sabemos que uma excelente ortodontia, inicia-se lá no planejamento do nosso caso ortodôntico, mas mais que isso, a primeira impressão, a primeira conversa, entender as expectativas do paciente e a forma que podemos contribuir com o tratamento.