Quando falamos de odontopediatria logo pensamos em um mundo colorido, cheio de amor e canções, não é mesmo? De fato, trata-se de um mundo realmente muito colorido e cheio de amor, mas que também exige muitas habilidades como dentista.

Cada criança é única e algumas possuem medos e traumas, cabe ao odontopediatra cuidar de cada uma delas. Aproveitando que dia 21 de março é o Dia Internacional da Síndrome de Down, vamos falar um pouquinhos destes pacientes especiais?

Características de pacientes com Síndrome de Down

Portadores da Síndrome de Down possuem a trissomia do cromossomo 21. Isso resulta em algumas características como um processo de aprendizagem mais lento, olhos arredondados, orelhas pequenas, mãos menores e língua um pouco maior.

Na odontologia, podemos considerá-los pacientes especiais que necessitam de um atendimento diferenciado.

 

Imagem de menina com Síndrome de Down

 

Cuidados ao atender pacientes com Síndrome de Down

Ao atender crianças com Síndrome de Down é importante que o(a) odontopediatra tenha acesso ao histórico médico da criança, pois muitas delas podem apresentar algumas alterações como cardiopatias, problemas respiratórios e auditivos.

As manifestações orais mais frequentes são:

  • Má oclusão;
  • Cáries;
  • Doença periodontal.

Logo, essas manifestações podem ser causadas por alguns fatores, como por exemplo, erupção tardia, bruxismo,maior quantidade de flúor entre os dentes, deficiências imunológicas, respiração bucal, entre outros.

Com  isso, devemos também ter muito cuidado no uso de contenções devido a mobilidade das vértebras cervicais C1 e C2 para não causar nenhum tipo de compressão indevida.

Além disso, o(a) odontopediatra deve orientar a família e a criança sobre questões como alimentação e higiene bucal, como exemplo, evitar o excesso de alimentos com açúcar na dieta, estimula-lá a escovar os dentes sozinha, ir ao dentista periodicamente, etc.

Dica: Caso a criança tenha dificuldades motoras, sugira o uso de escovas elétricas.

 

Finalmente, a característica que mais observei ao atender esses pacientes é que quando eles confiam em você te dão muito amor, carinho e são super colaborativos. Pois a condição cromossômica não impede eles de trabalharem, serem artistas e desenvolverem habilidades.

Podem ser independentes como qualquer pessoa e também nos inspirar, já que são cheios de alegria e pureza. Lembrando que todos somos diferentes, cada um de nós tem características únicas e isso é o que nos torna especiais, por isso ser diferente é normal.

Sabriny Hertel

Odontopediatria