Você sabia que o trabalho de cirurgiões-dentistas dentro de UTI é fundamental para a completa recuperação dos pacientes internados? A saúde bucal é condição essencial para evitar infecções, muitas vezes provocadas por falta de higiene oral. Veja a seguir quais são as atribuições do cirurgião-dentista na UTI e por que é tão importante manter a higiene bucal de pacientes desse setor. 

Importância do cirurgião-dentista dentro da UTI 

A recuperação total do paciente internado em UTI depende da atuação completa de todos os profissionais e isso inclui o cirurgião-dentista, responsável pela manutenção da higiene bucal desses pacientes. Ou seja, estar com a saúde em dia, estável, também envolve uma boca sadia. 

Sabemos que a má higiene da cavidade oral é responsável pela incidência de diversos tipos de infecções em pessoas acamadas, especialmente em setores como a UTI, onde o risco é ainda mais alto devido ao estado do paciente, que geralmente apresenta baixa imunidade e está se recuperando de intervenções graves e muito invasivas. 

Todas essas características interferem diretamente na produção salivar do indivíduo, causando ressecamento na região ou líquido em excesso e contribuindo para infecções diversas, como pneumonia. 

Por isso, é de fundamental importância a presença de um cirurgião-dentista dentro da UTI já que ele é o profissional responsável por avaliar as condições desses pacientes e apresentar um plano de higiene bucal eficaz, que não só afaste o risco de infecção, mas mantenha a saúde em dia. 

Assim, junto com a atuação de outros médicos responsáveis pelo paciente, o cirurgião-dentista tem um importante papel na recuperação total do paciente, tornando- se um profissional indispensável dentro da UTI. 

Qual a formação necessária para o dentista atuar na UTI? 

O cirurgião-dentista que deseja prestar seus serviços dentro de uma UTI precisa de uma formação extra, com foco em odontologia hospitalar. É o que diz o Conselho Federal de Odontologia. 

Assim, é necessário que o profissional busque uma pós-graduação para âmbito hospitalar, ou um curso regular com o mesmo enfoque, e assim, obtenha os requisitos e conhecimentos necessários para atender bem o paciente, em todas as suas necessidades. 

A recomendação de um curso extra deve-se ao fato de que os ensinamentos ofertados em cursos tradicionais de graduação não suprem a necessidade de um centro de atendimento como as UTIs hospitalares.  

O próprio ambiente e a situação do paciente exigem práticas específicas, bem orientadas e executadas. Assim, um conhecimento prévio é fundamental para o bom trabalho do cirurgião-dentista e, claro, melhor recuperação do paciente. 

TUDO EM ATÉ 12X

Quais são as atribuições do cirurgião-dentista dentro da UTI? 

A atuação do cirurgião-dentista na UTI pode ser verificada na Resolução 204, de 21 de maio de 2019. A partir dela, podemos listar as principais atribuições desse profissional que são: 

  • Participação em ações de promoção à saúde, junto com o resto da equipe do hospital; 
  • Atuar nas demandas dos pacientes internados em UTI e também em enfermarias, ambulatórios e atendimentos de emergência, assim seja solicitado; 
  • Prestar atendimento não só em casos críticos e graves, mas também atuar na prevenção de problemas odontológicos; 
  • Participar de ações de cunho institucional, reconhecendo-se como peça importante da equipe; 
  • Elaborar e participar da criação de projetos científicos dentro do hospital que tenham o objetivo de melhorar e ampliar o atendimento da odontologia hospitalar; 
  • Ser atuante em ações, eventos e reuniões que envolvam a promoção, a prevenção e o tratamento de doenças bucais e odontológicas. 

Dentro especificamente da UTI, o cirurgião-dentista deve fazer a avaliação de todos os pacientes na admissão dos mesmos dentro do setor. Assim, ele verifica a situação atual de cada indivíduo, identifica a presença de alguma alteração inadequada e, junto, com o restante da equipe traça um plano para a solução daquele problema detectado. 

Importância da higienização bucal dos pacientes internados? 

Já vimos que os riscos de infecções são maiores quando o paciente não possui uma higiene bucal adequada. Isso acontece porque a cavidade oral é um local muito propício para o surgimento e proliferação de fungos, bactérias e vírus causadores de doenças. 

Esses micro-organismos, além de causarem danos já conhecidos nos dentes, também podem provocar o surgimento de infecções em órgãos e regiões vizinhas como estômago, traqueia, pulmão, coração dentre outros, agravando ainda mais a situação do paciente debilitado. 

A higiene bucal, portanto, é um mecanismo de proteção imprescindível e eficaz na prevenção contra o surgimento desses micro-organismos, evitando que novas doenças se instalem. 

Pacientes que se encontram intubados, por exemplo, possuem o risco maior de infecção e em tempo bem menor do que os demais enfermos, o que pode causar doenças periodontais graves, além da pneumonia já citada. 

Higiene bucal

Como é feita a higienização bucal do paciente? 

Depois que o cirurgião-dentista faz a avaliação inicial da cavidade oral, ele cria um plano de controle daqueles agentes infecciosos encontrados, além da limpeza correta da região. Esse trabalho consiste em identificar corpos estranhos, presença de ferimentos ou outras alterações locais. 

Além disso, é verificado também alguma dificuldade do paciente em movimentar a mandíbula, indicando algum desarranjo facial. Outro fator muito importante a ser verificado é a presença em excesso de fluidos bucais que podem favorecer o surgimento de pneumonias por aspiração. 

O produto amplamente recomendado para ajudar na higienização da cavidade bucal ainda é a clorexidina que tem forte ação antibacteriana e antimicrobiana, combatendo inclusive os micro-organismos mais resistentes. 

A clorexidina também tem ação fungicida, além de combater a presença, inclusive, de vírus causadores de doenças como HIV, gripe e herpes

O cirurgião-dentista é o responsável pela higiene bucal dos pacientes? 

Não, necessariamente. O responsável pela higiene bucal dos pacientes internados em UTI, no geral, é o profissional de enfermagem, o Técnico em enfermagem ou o Técnico de higiene bucal, se houver. Ao cirurgião-dentista, cabe avaliar as condições atuais do paciente, identificar o problema e criar um plano de tratamento. 

Cabe à enfermagem o cumprimento desse plano indicado, seguindo todas as diretrizes e direcionamentos indicados pelo médico dentista. Obviamente, o profissional de odontologia também pode executar essa função, mas não é obrigatório. 

Hoje, você ficou sabendo um pouco mais sobre a atuação do cirurgião-dentista dentro da UTI. Pudemos perceber e constatar que o profissional de odontologia é tão importante nesse setor quanto os demais profissionais, uma vez que o seu trabalho é uma forma de prevenir doenças e complicações médicas que podem agravar a situação já delicada do paciente. Afinal, a cavidade oral é uma região muito propensa à ação de micro-organismos e o acúmulo de líquidos salivares também podem provocar a temida pneumonia. Contudo, cabe ao profissional interessado buscar a qualificação recomendada para exercer o seu papel com a maior eficácia possível. 

Equipe Dental Speed

Artigos Relacionados