A influência da dieta na Odontopediatria

Cantinho da Criança

A dieta influencia diretamente na saúde do corpo todo e inclusive na saúde bucal, e até na mente das crianças! Quando pensamos em "dieta" , "criança" e "alimentação", logo vem o ponto em que o Odontopediatra mais observa no consultório: a cárie precoce da infância, proveniente da dieta desequilibrada, seguido de uma escovação ineficiente. 

Existem também outros problemas em que a dieta repercute diretamente na saúde bucal, como no caso de erosões dentárias que podem estar associadas à alimentação mais ácida e até anorexia. Dietas ricas em carboidratos fermentáveis e principalmente os "pegajosos", como estudamos no famoso estudo de Vipeholm, também influenciam grandemente na saúde bucal.

Pensando na orientação quanto a dieta na infância, dez passos foram estabelecidos pelo Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde e Sociedade Brasileira de Pediatria. Seguir estes dez passos auxilia em bom desenvolvimento e crescimento infantil!

Você pode acessar esses e outras orientações importantes diretamente pelo site do Ministério da Saúde, ou no livro "Manual de Odontopediatra" do McDonald & Avery, p152.

Os 10 passos são:

  1. Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos;
  2. A partir dos 6 meses, introduzir de maneira lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos ou mais;
  3. Após os 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes), três vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada;
  4. A alimentação complementar deverá ser oferecida sem a rigidez de horários, respeitando sempre a vontade da criança;
  5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com colher, começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar ao ponto da alimentação da família;
  6. Oferecer à criança diferentes alimentos no decorrer do dia. Uma alimentação variada é também uma alimentação colorida;
  7. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições;
  8. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação;
  9. Cuidar da higiene no preparo e no manuseio dos alimentos, e garantir o armazenamento e a conservação adequados;
  10. Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo suas refeições habituais e os alimentos preferidos, respeitando sua aceitação.

Segundo escritora Ellen G White no livro Orientação da Criança:

"A felicidade futura de vossa família e o bem estar da sociedade dependem, em grande parte, da educação física, da saúde e moral que vossos filhos recebam nos primeiros anos de vida."

Portanto: equilibrar os hábitos nos primeiros anos é muito importante para a saúde física e mental das crianças!

Os hábitos são desenvolvidos com atitudes corretas! Enquanto uma criança não "provar" o açúcar, ela não irá sentir falta!

Não podemos esquecer que "criança é criança" e privá-los de tudo também não é saudável, mas acredito que a regra é:

  1. Ponderação na dieta da criança;
  2. Orientar um consumo inteligente de açúcar;
  3. Escovação e higienização após as refeições e principalmente antes de dormir com creme dental fluoretado segundo a Associação Brasileira de Odontopediatria.

Dra Alessandra Souza Linares Silva é especialista em odontopediatria pela ACDBS e Ortopedia Funcional pela ABO. Atualmente cursa o Mestrado em Excelência para especialistas em odontopediatria e pacientes especiais pela SLM.

Artigos Relacionados